sexta-feira, 16 de junho de 2017

Tô grávida - parte 2

Oie!

Como prometido, vim contar como foi a reação do papai e da família...

Descobri a gravidez na segunda e meu marido só voltaria pra casa na quarta-feira. Como consegui segurar? Não sei! Só sei que fiquei mega ansiosa. Nem no dia do meu casamento fiquei assim.

Pensei em fazer uma surpresa pra ele, mas não sabia direito o quê. Comprei uma chupeta e improvisei com o que veio do coração. Já tinha visto algumas ideias na internet, mas fiz do meu jeito.

À tarde, quando ele me ligou avisando que estava saindo de lá, o avisei que tinha recebido uma visita e que a "pessoa" tinha deixado um presente pra ele. Não via a hora de encontra-lo pra ver a reação dele. Naquele dia ele tinha treino à noite e eu dava aula, portanto, mais ansiedade.... Quando eu cheguei em casa ele já estava lá e eu entreguei o "presente" pra ele.



Foi emocionante, apesar dele ter desconfiado porque de manhã postei no Facebook que estava ansiosa demais... Como eu não falei nada pra ele do teste, ele juntou os pontos "/

E pra família, contamos depois de fazer o exame e comprovar que estava lá, tudo bem.



Pros meus pais e irmão fomos mostrar o carro novo e PÁ! SURPRESA! Foi emocionante demais.



Pra minha sogra e cunhados, contamos num dia que todo mundo se reuniu pra combinar "detalhes do casamento" do meu cunhado.

Meu cunhado que está nos Estados Unidos ficou sabendo por uma ligação por vídeo e ficou feliz demais.

Meu sogro também foi por chamada de vídeo. Ficou todo bobo.

Meus tios, primos e avós foi legal. No aniversário da minha tia, jogamos mímica (como sempre) e eu já tinha panejado fazer uma mímica disso. E assim foi, na minha vez, fiz que eu estava grávida e, demorou um pouco pra cair a ficha, mas depois que todo mundo viu que era real, foi uma choradeira só.



Pros amigos-irmãos, aproveitamos um jantar em que estavam todos. Também foi emocionante.

Não tenho fotos de todos porque eu gravei alguns.

E assim todas as pessoas especiais pra nossa vida ficaram sabendo que uma nova vidinha está por vir.

Beijos!

Mê e Baby

sexta-feira, 28 de abril de 2017

Voltei - Voltamos! Tô grávida - parte 1

Oie!!!

Desculpem o tempo que fiquei sem postar. É que a vida anda meio corrida, muitas coisas acontecendo e vou contar tudinho pra vocês.

Pra começar: ESTOU GRÁVIDA. Sim!!! E quanta felicidade pra nós. Como já falei algumas vezes por aqui, esse cantinho é um lugar que tenho como meu diário (nem tão diário assim - kkkkk), onde eu consigo desabafar, deixar fatos e fotos registrados, além de compartilhar, receber mensagens de carinho e muito mais... Sendo assim, preciso contar o que aconteceu.



Foi planejado? MAIS OU MENOS. Como assim? ~Senta que lá vem história...~

Em um dos meus exames no final do ano passado foi constatado que eu tenho hipotireoidismo (uma condição em que o organismo produz menos hormônios do que deveria para manter o corpo em equilíbrio). Com isso, há mais de um ano minha menstruação estava irregular. No retorno ao médico, comecei a tomar o remédio, para regularizar essa situação (que, aliás, é para o resto da vida). As orientações foram: "Sua menstruação deve regularizar em uns 2 meses, portanto, lá pra Fevereiro ou Março você volta pra gente começar a ver a gravidez que vocês querem".

Passou Natal, passou ano novo, dia 20 de Janeiro fomos pra casa do meu sogro em Marília, de carro (umas 6 horas de viagem de SP). Chegamos lá na sexta à noite e fomos embora no domingo à tarde, porque meu marido ia ficar e Jundiaí à trabalho, portanto, tínhamos que deixa-lo lá antes de voltar pra SP.

Resumindo, passei mal de sábado à tarde até o domingo, na viagem. Demoramos umas 8 horas pra voltar, porque tínhamos que parar o carro de meia em meia hora pra eu vomitar. Pus pra fora tudo o que eu tinha dentro de mim (ou quase tudo =D). Chegando em Jundiaí, meu marido ficou no hotel, compramos um remédio pra enjoo pra mim e vim dormindo até a casa da minha mãe (porque não ia ficar em casa sozinha passando mal, né).

Um parêntese aqui: no sábado à tarde, fiquei com uma infecção de urina muito forte, fui à farmácia e comprei um remédio. No domingo, vomitei logo cedo e, achando que fosse o remédio, parei de tomar. Comentei com a minha cunhada que fazia tempo que eu não fazia teste de gravidez e que chegando em casa o faria. Como as coisas acontecem na hora certá, no lugar certo e com a pessoa certa, minha cunhada tinha um teste na bolsa (não me perguntem o porque, mas ela tinha!). Combinei que na segunda eu faria.

No caminho, meu cunhado perguntou pro meu marido: "Ela não tá grávida não?" e a resposta dele foi: "Não... ela nem tomou o remédio direito, ainda não...".

Bom, cheguei na minha mãe no domingo super tarde, tomei um banho e dormi. Meu pai me acordou cedo pra eu tomar um chá com torrada que ele tinha feito pra mim e avisou minha vó que eu tava lá passando mal e ela ia fazer uma canja pro almoço. Assim que todo mundo saiu, fui no banheiro fazer o teste e PÁ! SURPRESA! Pra quem já fez esse teste (na esperança de positivo ou negativo), sabe que demora um pouco pras listras aparecerem e elas apareceram em segundos. Sério, foi muito rápido.

E agora? Foi a única coisa que eu conseguia pensar. Ninguém lá, meu marido longe, como eu ia "digerir" essa informação? Pedi pra minha cunhada me acompanhar no laboratório para um exame de sangue e a moça disse: "A partir das 20:00 você já deve ter o resultado. Só acessar pela internet." Cheguei em casa umas 15:00, uma hora depois do exame e acessei pelo celular: PÁ! SURPRESA! O resultado estava lá. Não estava escrito positivo ou negativo, tinha somente a contagem do hormônio.

Mandei mensagem pro meu médico, pra tentar "continuar digerindo" a informação e a resposta dele foi a melhor: "Tá beeeeeem grávida viu. Parabéns!".

Então, começou a saga pra contar pro povo. Mas calma, primeiro o pai da criança, né! Afinal, estávamos querendo tanto que não podia ser diferente.



Mas isso fica pra outo post...

Não vou demorar tanto, prometo! Aguardem...

Um beijo (dois!),
Mê e Baby

quinta-feira, 29 de dezembro de 2016

Vai 2016. Vem 2017!

Oieee!

Como o ano está acabando, resolvi parar e pensar sobre tudo o que aconteceu. E isso me fez lembrar que as coisas se encaixam de tal forma que nem tudo é tão ruim ou tão bom que dura para sempre. Tudo tem seu tempo...

Segue meus pensamentos sobre 2016:

1 - Descobri que posso se melhor, fazer melhor o que quer que seja - É um treinamento diário, não é fácil, mas ter boas ações fez e faz eu me sentir bem melhor.

2 - Aprendi  me amar, me cuidar e querer o meu bem - Não que eu nunca tinha feito isso, mas minha mania de colocar os outros em primeiro lugar ficou um pouco de lado este ano (não muito, porque é difícil não pensar em quem amamos!).

3 - Reconheci que pessoas vem, pessoas vão e não vou morrer por perder quem quis sair da minha vida - Quem chegou, seja bem vindo!

4 - Me encontrei na profissão que escolhi - Ensinar é uma dádiva!

5 - Conversei muito mais com o meu marido sobre as coisas da vida, meus sentimentos e nossos planos de vida.

6 - Percebi que a vida sempre nos mostra o caminho a seguir - Por várias vezes achei que era o certo e a vida me mostrou que não era.

7 - Ganhei uma afilhada, que mais do que isso é minha irmã, minha filha, minha amiga -  Obrigada por me escolher, Rafa!

8 - Amei muito mais minha família e meus amigos - Não vivo sem!

9 - Tive vontades e não alcancei - Mas consegui coisas que nem imaginava...

10 - Re-afirmei que com a saúde não se brinca - Comecei a me cuidar mais.

E mesmo depois de ter percebido tudo isso, descobri que a vida é uma caixinha de surpresas enumeradas. Tudo tem a sua hora, o seu momento, a sua prioridade. E que quando posso fazer alguma coisa, vou me esforçar, quando não puder fazer nada, não preciso me preocupar, afinal, tudo tem um propósito de ser, de estar...

Desejo que 2017 seja muito melhor para todos nós, que traga tudo de mais maravilhoso e que seja um ano de muita felicidade e paz para todos.

Com carinho,

Melina!

sexta-feira, 29 de julho de 2016

Pra pensar - quem tem mais?

Oies!

Dia desses estava conversando com as amigas e voltei pra casa e fiquei pensando... Quem tem mais? Quem pode mais? Qual é maior? Quem é mais importante?...

Essas são questões que geram muitas discórdias, mas que no final das contas ninguém tem razão. Ouviu? NINGUÉM!!! E sabe o por quê? Porque só cada um sabe o que passa, o que pensa, o que tem...

Qual é a maior dor? A minha, claro!
Qual é a maior tristeza? A minha, ué!
Quem tem mais amigos? Eu!
Quem tem mais dívidas? Eu, lógico!

E por aí vai... É só parar pra pensar um pouco que você vai ver que em algum momento, o seu é o melhor, o maior, o mais mais... E tem problema? NÃO! Claro que não.

Agora, o que anda acontecendo é que as pessoas, por conta dos seus problemas esquecem-se dos outros. Esquecem que vivemos em sociedade e que numa sociedade o básico é que são pessoas num mesmo local, lutando por um mesmo objetivo.... Tá, tá... nem todo mundo luta pelo mesmo objetivo que eu, mas as pessoas que eu tenho por perto e cultivo, essas sim!

É meio difícil (eu confesso) pensar que existem pessoas "melhores" do que eu, "mais ricas" que eu, "menos sofridas" que eu... Mas nada do que eu passei, nada do que aconteceu e acontece comigo é em vão. Tudo nessa vida é aprendizado! Ou como diz o professor Pancrácio da novela "Êta mundo bom!": "Tudo que acontece de ruim na vida é pra melhorar".

Foi rapidinho, só pra pensar mesmo... E pra aprendermos a nunca menosprezar a opinião das outras pessoas, nunca diminuir a dor, o sofrimento ou as alegrias dos outros.

Beijos!

segunda-feira, 30 de maio de 2016

Sobre o amor...

Ha dias venho pensando sobre as várias coisas que vem acontecendo comigo, com quem eu amo, com quem eu conheço, com qualquer pessoa que eu tenha contato (virtual, pessoalmente ou só de passagem mesmo). Aí me veio um pensamento: O que é o amor?


Já li e ouvi várias definições da palavra e do sentimento. Mas o que é? Assim como cada ser humano é único, acredito que o amor que cada um sente também é diferente, único.

Uns amam ter ~ dinheiro, amigos, saúde, animais de estimação ~ e outros amam ser ~ mãe, avó, tia, madrinha, amiga, irmã.

No momento, amo ter o que tenho e ser o que (quem) sou. Sou feliz assim, mesmo não podendo ter tudo o que queria, fazer o que queria, ir onde queria, ser o que queria. Afinal, batalhei, lutei, conquistei o que tenho, onde estou, o que sou.


Posso concluir que amo ser feliz e sou feliz porque posso amar. Apesar de todas as dificuldades, dos tropeços, dos percalços, dos buracos. Nem tudo são flores, mas mesmo no lodo nascem flores. Há amor nas flores, e no lodo também! E sabe por quê? Porque há vida, há beleza, há saúde, há renovação, há multiplicação e quando a gente multiplica coisas boas, multiplicamos a bondade, a felicidade, o amor!


Vamos amar? Vamos multiplicar o amor?

Porque é disso que a vida é feita, afinal...


Beijos com amor!

Mê - 27/05/2016